sábado, 28 de junho de 2014

Mediadores de leitura em destaque: MARIA DA GRAÇA ARTIOLI




Foto: Valdeci C. de Souza

Maria da Graça Artioli é a mediadora de leitura em DESTAQUE essa semana. Bibliotecária formada pela UFRGS e especialista em Bibliotecas Escolares, atuou em escolas e hoje coordena o acervo de referência de literatura infantojuvenil da Câmara Rio-Grandense do Livro, a Biblioteca Moacyr Scliar. A partir do seu depoimento, constatamos sua paixão pelos livros e pela biblioteca, como um espaço vivo, dinâmico e formador de leitores e mediadores de leitura. Graça indica algumas fontes para mediadores de leitura que almejam qualificar o acervo de literatura infantojuvenil em seus espaços de atuação. Confira a sua entrevista:

1 - Conta um pouco pra gente a tua história de leitora na infância.

Bem, eu tive muitos livros e ótimas influências quando criança. As lembranças que tenho me trazem sensações de felicidade, alegria e amor. Agradeço à minha família: pai, mãe, avó e tios por me incentivarem a ler e pelos livros presenteados. E é bom lembrar que ninguém era rico.

Lembro, quando era bem pequena, que ganhei uns minilivros de uma banca de revistas na praia de Capão da Canoa. Ganhei da Disney e Contos de Fadas, da Editora Melhoramentos. Eram os anos 50,60. Meu pai tinha um exemplar do Saci de Monteiro Lobato, 5ª edição de 1934, da Companhia Editora Nacional, que eu herdei com ilustrações de Jean G. Villin. Pollyana ganhei de minha mãe.

Ganhei de aniversário uma edição grossa de capa dura das histórias infantis de Erico Verissimo: lamento não ter guardado, poderia ter restaurado, era costurado e muito grosso, foi muito manuseado. Adorava a história do Avião Vermelho, dos Porquinhos Pobres e do Elefante Basílio...

Lembro quando minha avó veio nos visitar e nós morávamos longe, o pai estava doente, ela trouxe para mim: "Uma casa à beira do riacho " da Laura Ingalls, depois a mãe comprou a coleção toda de oito volumes. Estes eu adoro!!!

Lembro do meu pai me levando ao cinema na Benjamin Constant (cine Presidente). Vi Alice no país das maravilhas e na saída ganhei um álbum de figurinhas. Bom, eu adoro álbuns até hoje e tive várias edições da Alice. Fiz álbum da Frozen, neste verão.

Outro filme que vi foi Marcelino Pão e Vinho, baseado num livro.
Agora assisti Malévola, em junho de 2014, é uma releitura da Bela Adormecida (Disney), e deu vontade de ler novamente o conto.

Outra lembrança de infância são as revistas da Diversões Juvenis que tinham contos, lendas, histórias em quadrinhos, receitas culinárias, experiências e trabalhos manuais.

 2 - Qual é o teu livro de literatura infanto juvenil favorito? Fala um pouco sobre ele:

Não lembro de um livro favorito. Os que eu lembro que gostei mais foram os seguintes:

Li, para a escola, Tibicuera de Erico Verissimo. Ele me marcou porque fiz ilustrações do livro à mão livre, ficaram lindas e me encantei com isso e não esqueço. Sempre achei que não desenhava nada bem, só pode ter sido influência do livro, acredito. 

Lembro de Edgar Allan Poe, Agatha Christie, romances policiais. 
Li também O meu pé de laranja lima
Um que me impressionou bastante , eu tinha 18 anos acho, foi "Recordações da casas dos mortos" de Dostoiévski.
Da faculdade lembro do Apanhador no campo de centeio e O Forte de Adonias Filho.
Eu continuo apaixonada por literatura infanto juvenil, anos atrás a paixão foi Harry Potter, um conto de fadas moderno (a eterna luta do bem contra o mal).


3 - Qual é o perfil do mediador de leitura que estimula crianças e jovens a se tornarem leitores?

O mediador de leitura é aquele que naturalmente gosta de ler, ama, passa uma verdade, incentiva, contagia. Podemos ler resenhas, fazer cursos de Literatura infanto juvenil, conhecer escritores, participar de lançamentos, usar bibliotecas, ir a livrarias. 
A Feira do Livro de Porto Alegre é intensa e cheia de recursos para se atualizar nesta área. Fiz muitos cursos de um dia em Livrarias (Paulinas, Paulus, Moderna , Ática, Globo, e Seminários na Casa de Cultura Mario Quintana, no Centro Cultura CEEE Erico Verissimo, em Universidades como a PUCRS.

4 - Como constituir um acervo de qualidade de literatura infanto juvenil na biblioteca escolar?

Consultando catálogos de Editoras, Prêmio FNLIJ, Prêmios Jabuti , Hans C. Andersen e outros, blog Dobras de leitura, Confraria Reinações (de literatura infanto juvenil em Porto Alegre).

Hoje temos a Internet, em que podemos acessar o blog de escritores e conhecer lançamentos, divulgados até pelo Facebook.

Na cidade de Porto Alegre, existem muitos sebos e os sites da Traça Livraria e Estante Virtual são excelentes.
Fazer feira de livro na escola, participar de feiras na sua comunidade, tudo pensando em gerar recursos para comprar livros para a biblioteca.

Aqui algumas dicas :

- Listas de livros premiados pela Fundação Nacional do Livro Infantil e Juvenil entre 1975 e 2014 - http://www.fnlij.org.br/principal.asp
- Listas de livros selecionados pelo MEC para integrar o Programa Nacional da Biblioteca Escolar em 2012 -http://www.fnde.gov.br/index.php/programas-biblioteca-da-escola
- Lista 30 melhores livros infantis de 2014 – Revista Crescer - http://revistacrescer.globo.com/Revista/Crescer/0,,EMI237592-17759,00-OS+MELHORES+LIVROS+INFANTIS.html
- Listas do Prêmio Jabuti (2000 a 2013), promovido pela Câmara Brasileira do Livro - http://www.cbl.org.br/jabuti/
- Lista do Prêmio Açorianos de Literatura,  promovido pela Secretaria Municipal da Cultura - http://www2.portoalegre.rs.gov.br/smc/default.php?p_secao=56

5 - Conta um pouco da tua atuação como coordenadora da Biblioteca Moacyr Scliar (acervo de referência de literatura infanto juvenil da Câmara Rio-Grandense do Livro):

A Biblioteca Moacyr Scliar, da Câmara Rio Grandense do Livro, nasceu da ideia de podermos auxiliar a todos que vem à feira sobre o que existe de qualidade no mercado editorial. Perguntas como “O que comprar para bibliotecas escolares?” “O que dar para seu filho, neto?” “Como presentear com um bom livro?”
A Biblioteca serve de consulta para os professores e mediadores de leitura, consulta local para coordenadores dos programas de leitura que a Câmara Rio-Grandense do Livro desenvolve com seus parceiros.
Durante a Feira, separamos o acervo dos autores que estarão presentes na programação do evento. Contamos com o apoio dos próprios escritores, editores, distribuidores e livreiros, que entendem o papel da Biblioteca como divulgador epromotor da leitura.

6 - Como bibliotecária e mediadora de leitura, qual o papel da literatura infanto juvenil na escola?

O papel da Literatura infantojuvenil é fundamental na escola, principalmente quando as crianças não têm em casa livros. A Escola tem papel essencial na vida de uma criança, e uma biblioteca, por mais simples que seja, oferece um mundo diferente para os alunos. 

Um professor que ama o que faz e conta histórias para seus alunos faz a diferença.

Quando trabalhei em escola, lembro de uma professora de Ciências que gostava muito de ler e quando contava para seus alunos o que lia, eles corriam à Biblioteca perguntar se tinha o livro.

Tinha também a professora de Português que adorava ouvir histórias, então levava a turma toda semana para a biblioteca, trocavam livros, fazíamos teatro, e eu contava histórias.
Quando fazia Feira de Livro na escola era uma festa! Os alunos participavam de tudo!
A literatura é emoção, é arte. A literatura cura.

Em 2005, conheci a Pedagogia Waldorf, trabalhei na escola Waldorf Querência. Os professores não utilizavam livro didático, usavam muitos livros de literatura para embasar seus conteúdos em sala de aula. As crianças convivem desde cedo com o exemplo dos adultos leitores. No 1º ano se contavam "Contos de Fadas" em sala de aula. No 2º, histórias da Criação do Mundo. No 3º, Fábulas e Lendas, e assim por diante... Recomendo o livro “HISTÓRIAS CURATIVAS PARA COMPORTAMENTOS DESAFIADORES” de Susan Perrow, faz parte da Pedagogia Curativa, na pedagogia Waldorf.
https://ci4.googleusercontent.com/proxy/fuZK4fANrg49ZfzDMN3ppR02vGVbrgiHbI_0MBUqrFKzhFXtWo7XgsJZT7f7t6os3a68YDNuVa7CTnbZAhmPE0VFUDrdAWMeDmj4nWjZ0Q=s0-d-e1-ft#http://antroposofica.lojavirtualfc.com.br/images/shim.gif



Algumas frases, para encerrar:

O livro é um alimento para a alma! Um companheiro, um amigo!

“É claro que meus filhos terão computadores, mas antes terão livros.” (Bill Gates) 

"Emerson disse que uma biblioteca é um laboratório  Mágico  onde vivem muitos espíritos encantados .Eles despertam , quando chamados. Fechado, um livro é literal e geometricamente um volume, uma coisa entre outras. Quando o livro é aberto e se encontra com seu leitor, então ocorre o fato estético.
Deve-se acrescentar que um mesmo livro muda em relação a um mesmo leitor, já que mudamos tanto."

Do livro Sete noites (ensaios) de Jorge Luis Borges.

sexta-feira, 20 de junho de 2014

Mediadores de leitura em destaque: CRISTIANE GOMES



Fazer o que se gosta é "tudo de bom". Porém, "tudo de melhor" é encontrar grandes parceiros para compartilhar, discutir e construir ideias e projetos. A professora Cristiane Gomes, minha colega de Português no CMEB Edwiges Fogaça, é uma mediadora de leitura apaixonada por literatura e que gosta de lançar desafios aos seus alunos. Formada em Letras na UNISINOS, atualmente cursa especialização em Língua, Literatura e Novas Mídias, e atua como professora de língua portuguesa nas escolas Clovino Soares e Edwiges Fogaça na rede municipal de Esteio. Entre os projetos de leitura literária desenvolvidos pela professora nas escolas, recebeu, em 2012 e 2013, destaque na Feira Municipal de Ciências e Ideias do Município de Esteio, e, no último ano, o projeto literária a partir do livro "É tarde para saber" do escritor gaúcho Josué Guimarães, participou da Mostratec Júnior, mostra de trabalhos do Ensino Fundamental vinculada à maior feira de tecnologia da América Latina, a Mostratec, realizada pela Fundação Liberato, de Novo Hamburgo.
Cristiane é a primeira entrevistada no "mediadores de leitura em destaque", espaço onde vamos conhecer o trabalho e a trajetória de quem constrói pontes e afetos entre o livro e o leitor.
 
1 - Conta um pouco pra gente a tua história de leitora desde a infância.
Minha relação com a leitura é algo mágico! Mesmo tendo uma infância pobre e desprovida de livros, tenho uma avó cuja imaginação ultrapassa as fronteiras do concreto e invade o universo do fantástico! Recordo das histórias de assombração que ela contava (e ainda conta) e de como aqueles seres imaginários foram importantes no meu crescimento e perambulam em minha memória ainda hoje. A fascinação que me envolvia como ouvinte é a mesma que vejo hoje nos olhos de meus alunos ao contar-lhes uma história. Na adolescência, era a poesia que me encantava, o fascínio pelos versos dramáticos de Álvares de Azevedo, estudados nas aulas de literatura, através da voz contagiante da professora, ainda carregava resquícios de uma infância recheada de elementos imaginariamente misteriosos e necessários para uma criatividade tão pulsante.


2 - Qual é o teu livro de literatura favorito? Fala um pouco sobre ele: 
Os livros “de mistério” sempre me fascinaram, mas foi “Incidente em Antares”, de Erico Verissimo, que reavivou a paixão pelo universo do fantástico, por mesclar elementos concretos e absurdos, em que, numa cidade pequena do interior do Rio Grande do Sul, a rivalidade e o ódio entre duas famílias despertam sentimentos intensos, há uma greve dos coveiros e os mortos não podem ser enterrados, de modo que resolvem voltar à praça principal para colocar os “podres” da sociedade para fora, afinal, já não têm mais nada a perder. O universo do real-maravilhoso presente na obra de Gabriel García Marquéz, principalmente no livro “Cem anos de solidão” também me encanta muito.

3 - Qual é o perfil do mediador que estimula crianças e jovens a se tornarem leitores?
Em primeiro lugar, para trabalhar com literatura, tem que ser apaixonado por histórias! Saber contá-las com ênfase e emoção conquista o público neoleitor. E, por fim, intervir, propondo atividades de exploração narrativa que estimulem a interação entre leitor e obra, já que esta ganha vida e múltiplos sentidos através dos olhos e dos sentimentos dos leitores.

4 - Destaca algum projeto/atividade de leitura que desenvolves com teus alunos:
A literatura nos oportuniza entrar em mundos diversos, reais e imaginários. Dessa forma, acredito que é preciso trabalhar com a leitura de obras através das quais os alunos possam se identificar, se apaixonar pelo universo mágico da literatura e ressignificar sua vida e seu papel na sociedade onde está inserido. Dentre tantos projetos de leitura com os quais tenho trabalhado ao longo dos últimos anos, a partir dos quais já criamos muitas reinterpretações de obras literárias, através de teatro, filme, música etc., a obra “Capitães da Areia”, de Jorge Amado, com turmas de 9º Ano do Ensino Fundamental tem possibilitado compreender a vida em sociedade através de diferentes olhares. É um projeto ainda em andamento, cujos frutos de repensar-se enquanto ser protagonista da sua própria vida e ativo na sociedade já estamos colhendo dentro e fora da sala de aula.

5 - Como mãe, professora e mediadora de leitura, qual a importância da literatura na vida da gente?
É evidente que não é fácil competir com um mundo tecnológico em que com apenas um “deslizar de dedos” na tela se tem a resposta pra muitas questões, mas é preciso também compreender que os recursos digitais podem e dever ser nossos aliados na conquista por novos leitores, mas é o mediador, ou seja, o adulto referência, seja ele pai, mãe, tia, avó ou professor, que vai mostrar essa possibilidade às crianças, que, por sua vez, são “seres” sublimes, que estão sempre dispostos a encarar desafios e permitem-se descobertas constantes e se encantam com elas. É preciso, antes de ensinar, aprender com elas, escutá-las, observá-las, para então merecer o passaporte para o seu mundo mágico, onde as histórias ganham vida e tudo o que se imaginar, torna-se possível! Assim, através do olhar do leitor, as páginas ganham vida e a vida significados!

quarta-feira, 4 de junho de 2014

Reestreia do blog: bem-vindos!

O blog Descobrinhança reestreia com novas seções sobre literatura infantojuvenil e mediação de leitura, a fim de promover práticas de leitura literária em diferentes espaços de atuação do mediador. No link "Publicações", você pode conferir alguns textos produzidos por mim apara apresentação em eventos de discussão e reflexão sobre leitura e literatura; em "Sessão de leitura", a cada quarta-feira publicarei um texto produzido a partir de uma sessão de mediação de um livro de literatura infantojuvenil; em "Assessoria", você conhecerá algumas propostas de oficinas e palestras que desenvolvo junto a mediadores de leitura.


Outras seções serão incorporadas aos poucos, sendo que seguirei com os relatos de atividades de leitura em sala de aula. O blog ganhou uma página no Facebook e identidade visual a partir da arte do ilustrador Dane D'Angeli.

Descobrinhem à vontade!